Anúncio Suíte

Você acabou de receber o décimo terceiro email do cliente dizendo que o projeto está “quase pronto”, mas que gostaria de mais algumas alterações. O trabalho não poderia estar melhor, bem estruturado, embasado e com um conceito forte, mesmo assim, já são 13 alterações aparentemente injustificáveis, a mero gosto do cliente. Isso pode ser um grande indicativo de que seu relacionamento com o ele não é lá dos melhores.

Apesar de não ser um fator exclusivo, sucessivos pedidos de alterações podem indicar que o seu relacionamento com o cliente precisa de um pouco mais de atenção. Por experiência própria, eu sei que quanto mais você mantém o cliente afastado no desenvolvimento de um projeto, menos ele entenderá o resultado, e mais frequentes serão os seus pedidos de alteração.

Posso te mostrar uma coisa?

Antes de continuar a sua leitura, posso te contar uma novidade? Eu lancei recentemente a minha própria plataforma de cursos online, a Suíte Criativa, e depois de 5 anos publicando vídeos, tutoriais e dicas no canal do Clube do Design no youtube eu finalmente desenvolvi o meu próprio curso online de Illustrator com certificado.

Se você puder, dá uma olhadinha lá no site e conheça o meu curso de Illustrator. Tenho certeza de que você pode aprender muito sobre um dos aplicativos criativos mais usados do mercado. Não se assuste, o preço é barato sim! O meu objetivo é que todas as pessoas possam ter acesso a ensino de qualidade, por um preço extremamente acessível.

Obrigado! Continue com a sua leitura ;)

Muitos profissionais mantém um certo medo ou aversão em incluir os clientes na concepção de projetos de design gráfico, e isso é extremamente prejudicial. Por mais que você seja o profissional, e você tenha a experiência que ele precisa pra resolver o problema, o próprio cliente precisa participar da solução, e entender por que aquela opção é a melhor. Se você fizer tudo às escuras e deixar tudo para o momento da apresentação, pode ter muito retrabalho.

Além disso, não há ninguém melhor do que o próprio cliente para te ajudar a entender a raiz do problema, e porque ele precisa dos seus serviços para resolvê-los. Ele pode ser uma excelente fonte de feedbacks precisos, e que vão te ajudar a acertar em cheio, obtendo resultados mais satisfatórios. Afinal, este é o objetivo, entregar uma solução que mostre resultados e dê o retorno esperado ao cliente, e isso não pode ser uma decisão apenas sua.

Como incluir o cliente na concepção de um projeto

Tudo começa nas reuniões de briefing, quando o problema está sendo apresentado e você precisa compreender cada detalhe para desenvolver uma proposta inicial. Apresentar as suas ideias e conversar abertamente sobre como você enxerga o problema e as possíveis soluções que podem ser desenvolvidas, irá deixar o cliente confortável.

Envolvê-lo nas decisões como a escolha da tipografia, a paleta de cores ou o melhor formato para uma publicação, podem dar abertura para que o cliente entenda o processo criativo e a linha conceitual que você está seguindo. Você deve conduzir tudo com propriedade, e exibir as suas escolhas de maneira que ele entenda o porque de cada uma delas.

Você pode pensar que isso é cansativo, ou que o trabalho pode levar mais tempo do que o planejado por causa dos feedbacks ou da espera de uma posição do cliente, mas isso pode ser resolvido com um simples telefonema, uma chamada rápida no skype, ou um cronograma predeterminado de reuniões para tomadas de decisão.

O que eu costumo fazer para envolvê-lo

Para que o processo seja o mais objetivo possível, eu costumo envolver bastante o cliente nas seguintes etapas de um projeto:

1. Na reunião de briefing, para a apresentação do problema e da solução esperada no projeto.

Na primeira reunião, depois de ter noção do tipo de projeto que ele precisa, eu costumo fazer uma especie de “mini-brainstorming” junto ao cliente para tentar sondar se ele já tem alguma ideia pré-concebida em mente. Isso ajuda bastante caso ele já tenha uma referência pronta, e me diz pelo menos o que ele espera do visual do projeto.

2. Na reunião para apresentação das ideias para a solução do problema.

Depois do tempo necessário para pensar na proposta e na busca por referências, eu reúno as ideias iniciais que eu acredito serem viáveis e as apresento ao cliente, seja em teoria usando referências ou preparando um esboço. Assim ele poderá conhecer as alternativas (caso exista mais de uma) e me ajudar a escolher o caminho mais interessante.

Eu costumo fazer alguns rascunhos próprios e já escolho o tipo de fotografia, layout, estilo tipográfico, formato e e também já penso nos acabamentos que podem trazer um resultado mais legal (cortes, aplicações, revestimentos, dobras). É como montar um quebra-cabeça, onde você mostra as peças antes de encaixá-las.

Business-Relationships

Nas etapas de concepção do projeto, eu costumo manter o cliente informado sobre cada etapa, geralmente envio um email com um pequeno cronograma e prazos, em caso de atrasos ou de necessidade de qualquer alteração na ideia inicial, também mando uma mensagem para evitar qualquer surpresa.

Seguindo essa receita, e dando uma boa caprichada na apresentação, o cliente terá maiores chances de ficar satisfeito com o resultado que ele ajudou a criar. É claro que os pedidos de alteração podem surgir por diversos outros motivos, mas você pode reduzi-los drasticamente envolvendo o seu cliente, e fazendo com que ele participe das etapas importantes do projeto.

Publicidade

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMega-coleção de ícones 2016
Próximo artigo21 mockups de iPhone em PSD Grátis
Arte-finalista e produtor gráfico especializado em pré-impressão e impressão, projetos de comunicação visual, design editorial e gestão de marca. Professor de informática aplicada ao design e certificado em propriedade intelectual, gerenciamento de cores, edição e tratamento de imagem. Apaixonado por design e criatividade, me dedico a ajudar as pessoas a encontrarem uma nova profissão.

1 Comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here