Como me tornar um designer #1 – Design e a sociedade atual

0
70

Recebo constantemente dúvidas relacionadas ao designer gráfico (sim, o profissional), como por exemplo:

  • Como me tornar um designer?
  • Que cursos posso fazer para me tornar um designer?
  • É preciso saber desenhar para ser um designer?
  • Eu posso comer ovo e arrotar frango?
Imagem via Shutterstock
Imagem via Shutterstock

Por isso resolvi criar esta série de publicações que vão trazer o meu ponto de vista (e o de outros profissionais) sobre a profissão, o mercado de trabalho e, claro, como você pode vir a se tornar um profissional criativo.

Se bem que vou logo lhe avisando, esta vida não é para muitos, ou melhor, se formos avaliar o que a sociedade pensa sobre o design (e o designer) veremos que há muita gente que acha que design é uma coisa fácil, que para ser bem sucedido na profissão basta ter talento. Tem gente que acredita que esta é uma atividade sem importância alguma, e que não se quer um valor de mercado satisfatório. Os mais otimistas a classificam como uma vertente da propaganda, uma espécie de subdivisão, um empreguinho para os artistas que não tem nada melhor pra fazer.

Ok, pode parecer exagero, mas é assim mesmo! Mas se você não liga em receber uma mixaria, ser tachado de “menino do computador” ou de “o cara da informática”, trabalhar dois ou três dias sem nem dormir, continue lendo! Tenho certeza que, como eu, você também vai encontrar o lado bom do design, que, embora eu tenha lhe assustado pra cacete nestes primeiros parágrafos, confesso ser o amor da minha vida, a profissão dos meus sonhos, e também o meu ganha-pão.

Mas vá tirando o cavalhinho da chuva se você pensa que ser um designer é apenas mexer no “Fotoxop” ou criar “cartões de visitas” no “CorelPAU”. Você precisa entender que design é muito mais que estética ou um desenho físico, o design é sentimento, é projeto, é uma ciência! (para os mais apaixonados!)

Nos próximos artigos vamos descobrir mais sobre o que de fato é o design. Será que para ser um designer é preciso apenas “talento”, aliás, o que é talento para você?

Nos vemos no próximo post.

1 COMENTÁRIO

  1. podemos ater ter o talento mas se não estiver aplicado é mesmo q nada…
    e se souber aplicar mas não tiver o talento não haverá o que aplicar sendo assim…

    é uma reta que tem que ficar no meio sem pender para as extremidades… isso é conhecimento e sabedoria 😉

  2. Bem sincero! Estou todos os dias acompanhando de perto o blog, e a cada postagem é um estimo a mais para me manter na profissão, não sou formado, mas trabalho na área a 3 anos e alguma coisa.

  3. Concordo com você Liute!! Pra trabalhar com design tem que ter muito amor pelo que faz! Estou começando a me engajar nessa área e vejo como é difícil (em todos os sentidos), muitas vezes não somos reconhecidos pelo que fazemos e todos acham que é “moleza” fazer aquilo que demoramos semanas para desenvolver!! Valeu pelo post! Continuarei acompanhando!!

    • Se não somos reconhecidos pelo que fazemos a culpa é nossa. Nós mesmos não dimensionamos o real valor do design. E não estou falando de valor sentimental, no sentido romântico que muitos aqui estão tendo ao falar do design – não que isso seja ruim, eu também amo o que faço.

      Simplesmente digo que, na maioria, designers são burros. Burros por não ter a capacidade de entender o seu entorno. Não tem capacidade em criar um contrato decente, colocando, por exemplo, uma cláusula de urgência para evitar ter que virar noites para entregar o projeto; E muito menos de entender que o seu cliente é do mundo dos negócios. Se você fala com ele usando de jargões da profissão e tentando dar justificativas sobre a estética do projeto, certamente não será aprovado o seu projeto.

      Quando os designers virem que design pode ser um elemento estratégico para os negócios, souberem traçar metas em cima dos objetivos dos demandantes de seus projetos, e lhes apresentar soluções estratégicas, em ternos de negócios, para os objetivos, você vão ser valorizado. Enquanto nós nos comportarmos como subalternos dos clientes ao invés de parceiros e nos fazermos de coitadinhos – “eles não nos valorizam!” -, as coisas não mudarão.

      Recomendo a leitura do livro “Briefing: A gestão do projeto de design” para aprenderem a ser mais profissionais.

  4. Estou no terceiro ano do ensino médio, e estou querendo cursar a faculdade de Design Gráfico, quero logo ler a continuidade de ”Como se tornar um design”! Vai/está me ajudando muito!

  5. Muito bom mesmo! Já trabalho há algum tempo na área, mas nunca “decolei”, e o Club do Design vem me auxiliando de montão também, vlw, Liute pela iniciativa! Esta série vem ser de grande ajuda pra mim e um tanto de gente por ai à fora…

  6. Oi Amigo! estava precisando mesmo de um tópico como esse, me sinto um tanto quanto crua na profissão e o club do Design tem me ajudado muito, parabéns pelo belo trabalho.

    • Olá Felipe.

      A criatividade falta até mesmo quem já está trabalhando na área.
      Sugiro quando for elaborar seu trabalho, olhe o trabalho de outros Designers
      para se Inspirar, somente para ‘INSPIRAÇÃO”, e continue a decorrer do seu dia olhar
      e avaliar tudo e todo material gráfico ao seu redor, seja um anúncio na Web ou até mesmo um rotulo de um produto.

      Fica a dica: http://www.clubedodesign.com/category/inspiracao/

  7. Talento era o meu computador antigo, rsrsr. Talento é algo nato, o cara já nasce com ele e aprimora a cada dia na sua vida. Talentoso pra mim é aquele moleque de 10 anos que pega o PC e fuça ele todo e faz algo interessante, e o melhor é quando ele usa o talento (habilidade) e faz algo útil à sociedade. Talento é isso pra mim.

    • Talento não é nato, é algo que nasce do esforço, curiosidade, persistência e muito muito estudo, e muita prática tb. Nascer a gente nasce sem saber de coisa alguma. Depende da nossa criação se pendemos mais pra humanas, para o desenho, para a arte. E depois é 99% de transpiração mesmo!

      • Temos o mesmo ponto de vista Raissa. Talento na verdade nada mais é do que uma habilidade que foi bem estimulada durante o seu aprendizado. Para que estes estímulos se transformem em talento vários fatores no ambiente de aprendizado são importantes, como exercícios, autoestima, estímulo por parentes e amigos, empenho, dedicação, e um pouco de bom gosto, claro. 😀
        Um abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here