Guia de 12 passos para se tornar um freelancer de sucesso

0
32
Designer ilustrando uma lâpada ©Shutterstock

Quer deixar o seu emprego e trabalhar por conta própria como designer freelancer? Este guia com 12 passos para se tornar um designer freelancer de sucesso vai lhe ajudar nesta empreitada.

Todos nós gostaríamos de deixar nossos empregos e partir para o trabalho por conta própria. Mas, sem disciplina e cuidado de gerenciamento de projeto você pode acabar com excesso de trabalho, pouco dinheiro e em uma situação pior do que antes. Então, aqui está uma daquelas coisas que não se ensinam na escola de design; há uma lista de 12 estágios para todos os trabalhos freelance que você pretende fazer, a parte divertida é apenas uma delas.

Se você quiser começar um trabalho consistente, se quer entregar tudo no prazo e, mais importante, receber um bom pagamento, você deve seguir este passo-a-passo para manter um bom fluxo de trabalho. Ele vai minimizar os problemas e ajudá-lo a se concentrar em fazer grandes projetos, ganhar dinheiro suficiente para tornar-se um trabalhador independente e que não precisa de patrão.

01. Obtendo clientes

Clientes ©Shutterstock
Clientes ©Shutterstock

Como freelancer ou empresa de pequeno porte, você precisa de clientes, o que significa a construção de uma rede. Comece por fazer parte de grupos relevantes no LinkedIn e inscrever-se em sites que reúnem clientes em potencial como o freelancer.com.

Mas com toda essa atividade on-line é fácil esquecer que os melhores contatos são feitos no mundo real. Fique atento a eventos, feiras e workshops que estejam acontecendo na sua região. Criar redes de relacionamento sólidas é o primeiro passo para se começar a trabalhar com o pé direito. Então imprima alguns cartões de visitas, saia da frente do computador e coloque em prática o seu lado social para fazer novas amizades e conquistar novos clientes.

02. Reunião

Sentar-se para uma conversa – física ou virtual – é um passo essencial quando se inicia um projeto. Um erro que muitos freelancers iniciantes cometem é permitir que os clientes se afastem do projeto. Manter e gerenciar as expectativas de seu cliente o mais cedo possível é muito importante.

Este é também o momento de fazer qualquer negociação necessária; definição de taxas, sua disponibilidade, um cronograma para revisão e prazos. Se você pular essa etapa estará permitindo que seu cliente decida isso por você usando termos que são favoráveis apenas para ele.

Um ponto importante, você pode construir uma compreensão das necessidades do seu cliente. Esta reunião lhe permite formular uma espécie de briefing pessoal que lhe dá um ponto de partida caso precise consultar o cliente novamente para corrigir pontos que você não entendeu.

03. Briefing

Briefing ©Shutterstock
Briefing ©Shutterstock

O briefing do projeto é um documento fundamental para que tudo corra conforme as expectativas do seu cliente. Formular um bom briefing com todas as informações que compõe o projeto podem lhe poupar muita dor de cabeça. O briefing é a alma do projeto, é através dele que você interpreta o que o seu cliente precisa, o seu objetivo e as suas expectativas.

04. Contrato

Você não precisa ter um contrato formalizado legalmente registrado em cartório, mas você precisa ter tudo o que pretende fazer documentado por escrito. O contrato de prestação de serviço é um mecanismo perfeito para isso. Certifique-se de detalhar o trabalho que pretende realizar, incluindo cláusulas de prazo acordado, taxas e principalmente o que você poderá cobrar por trabalho extra, como alterações que estejam fora do escopo original do projeto.

Se você não sabe por onde começar, tem um artigo muito legal no Choco La Design sobre os documentos que um freelancer precisa, incluindo vários modelos de contrato para download.

05. Gestão do tempo

Se você é como eu e se perde facilmente no tempo quando está desenvolvendo muitos projetos em paralelo, então precisa de boas ferramentas de gerenciamento de tempo para auxiliá-lo. Existem serviços online como o RunRunIt que te permitem controlar todas as horas trabalhadas em um projeto e definir cada etapa para a sua conclusão. A ferramenta também ajuda caso você trabalhe com uma equipe. Há também soluções gringas para gerenciar os seus projetos, como é o caso do Todoist e Producteev, que permitem que você divida qualquer projeto em uma lista de tarefas. Eles também estão disponíveis como aplicativos móveis.

Há muito a ser recomendado nestas ferramentas. A capacidade de assinalar o projeto em tarefas menores lhe dão a sensação de progresso e mantém todo o projeto no caminho certo, na hora certa.

06. Preparação

A preparação varia de praticante para praticante, mas sabemos que uma coisa é certa, se você tentar pular esta etapa você vai tropeçar nos próprios pés. Certifique-se de que você tem todo o equipamento, ferramentas e softwares necessários para completar a tarefa. Certifique-se de que tudo está funcionando corretamente.

Para alguns trabalhos você vai precisar fazer maquetes, protótipos, criar wireframes, esboços, storyboards, fazer pesquisas e assim por diante. Certifique-se que você tem tempo suficiente e tudo o que precisa preparado com antecedência. Não economize nesta etapa, é tentador, mas este é o ponto onde você vai encontrar os buracos no seu barco antes de zarpar.

07. Criatividade

Designer ilustrando uma lâpada ©Shutterstock
Designer ilustrando uma lâmpada ©Shutterstock

Esta é a parte legal, a que você gosta de fazer. Note que é apenas um passo entre muitos até agora, mesmo que você se denomine um designer, ilustrador ou desenvolvedor web, esta é apenas uma pequena parte do trabalho. Se você não dominar as outras etapas, meu caro, você não ficará no ramo por muito tempo. Este é também um ponto de inflexão, cada passo após este deverá ter sido preparado nos primeiros seis passos.

08. Entrega

A reunião com o seu cliente deveria ter lhe permitido chegar a um prazo realista, de comum acordo. Não o perca! Você também deve ter decidido exatamente como entregar o trabalho. Tudo isso deve ser detalhado em seu contrato de prestação de serviços.

09. Alterações

Esta etapa está fora de suas mãos, mas você precisa estar preparado para ela. É por isso que há uma fase de consulta.

Uma das coisas mais frustrantes em qualquer trabalho colaborativo é que seus cliente irão, invariavelmente, querer alterações. A crítica que você recebe pode ser construtiva e você pode achar que vai ajudá-lo a continuar a aperfeiçoar o seu processo com este cliente. Muitas vezes, não será assim. Espere por críticos experts em artes visuais ou designers formados nas mesas de jantar com a esposa ou sobrinhos. 😀

10. Revisão

É importante ter certeza de que você não fique preso em um ciclo de revisão interminável. Uma forma de garantir que isso não aconteça é através da especificação de um número limitado de revisões no seu contrato – certifique-se de deixar bem claro que você poderá cobrar por alterações que ultrapassem o limite especificado.

11. Contabilidade

É engraçado como tantos freelancers e empresas criativas pensam na contabilidade como a parte chata … Mas você não pode fazer uma vida de criatividade se você não fatura, e se você fatura tem de pagar seus impostos.

Existem diversas maneiras de emitir notas fiscais e pagar os seus tributos devidos, seja se tornando um MEI – Micro Empreendedor Individual, um micro empresário ou apenas como autônomo, indo até a prefeitura de sua cidade e solicitando a emissão das notas fiscais necessárias para o seu cliente.

Se você preferir sistemas de pagamento online, como PayPal, Pagseguro, Moip, etc, pode usar o bom e velho Carnê Leão e se manter em dia com a receita federal.

Eu não sou nenhum perito em contabilidade, então é bom você fazer uma visitinha a um contador e se informar melhor em como você pode trabalhar como freelancer e se manter em dia com suas obrigações fiscais.

12. Pagamento

Finalmente todo o trabalho duro é compensado e você começa a gastar o dinheiro em iPads e cerveja. Às vezes, porém, os clientes preferem manter seu dinheiro em sua própria conta bancária. Clientes impertinentes.

O meu maior conselho neste caso é que você sempre receba uma parte do pagamento antes de iniciar o projeto. Mesmo antes de tudo começar, nas reuniões e conversas por telefone você já está efetivamente trabalhando, então nada mais justo do que ter segurança e garantir que você não vá ficar no prejuízo.

Depois de finalizar o projeto, percorra todo o caminho de volta até o seu contrato. Você deve ter acordado com o seu cliente um prazo máximo para pagamento. Trinta dias é padrão em lei.

Se reenviar a sua fatura não funcionar, uma carta reafirmando seus termos originais deve ser enviada. É bom usar métodos que comprovem o seu envio, como carta registrada, por exemplo, emails dificilmente tem algum valor legal, caso você precise.

Estas dicas são uma síntese do que você precisa para se dar bem como um freelancer. Claro que ainda existem muitos passos que foram omitidos e que demandariam um estudo muito maior e mais aprofundado, mas o objetivo deste post é lhe dar as bases para exercer suas atividades de maneira satisfatória. Se esqueci de algo, você pode ajudar a completar a lista nos comentários.

1 COMENTÁRIO

    • Olá Erica, infelizmente não existe uma modalidade MEI específica para o designer. Existem modalidades para fotógrafo, instrutor e até para quem trabalha com serigrafia. Neste caso, creio que a melhor solução seria abrir uma micro empresa.
      Um abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here