Sobre a minha carreira freelancer

15
15

Há pouco mais de 2 meses eu finalmente me tornei freelancer. Uma decisão que levou um pouco mais de dois anos e meio para ser tomada e que significou uma mudança drástica no meu modo de vida.

Os motivos para ser um freelancer não são poucos, entre eles o de não ter um chefe, poder trabalhar em horários diferentes do convencional e ter liberdade total para desenvolver suas atividades. Infelizmente (ou felizmente) a decisão não foi tomada pensando apenas nos pontos positivos, talvez por isso eu tenha demorado tanto para decidir dar o passo que iniciaria a minha carreira independente.

No começo de 2012 passei a enxergar a minha carreira de um jeito diferente e vi que eu já tinha atingido o limite em termos de crescimento profissional em meu antigo emprego. Isso me fez começar a pensar se não seria mais viável eu sair do trabalho assalariado e seguir carreira sozinho.

Naquele momento minha vida estava passando por um turbilhão de mudanças e eu tinha uma série de fatores que pesavam na hora de tomar a decisão:

  • Estava me casando
  • Minha filha estava a caminho
  • Teria uma família para sustentar
  • Morava de aluguel
  • Precisava de estabilidade
  • Nunca tinha ficado sem “emprego”

Não preciso dizer que não foi fácil, e só depois de mais de dois anos eu resolvi criar coragem e largar o emprego. Foi então que as coisas começaram a se transformar e eu pude perceber o quão promissora seria a minha carreira desde então.

Ainda me lembro de ter conversado algumas vezes com o Walter Mattos sobre esta mudança, ele me deu bons conselhos e não deixou de mencionar que eu tinha que pensar na minha estabilidade e de que eu tinha uma família para sustentar.

O medo da “instabilidade” é um dos fatores que impede muita gente de seguir carreira freelancer, e era um fantasma que me assombrava, muito mais por causa das responsabilidades que eu tinha em relação à família, mas que eu resolvi enfrentar e superar.

O que aconteceu depois que eu larguei o emprego?

Decisão tomada! A saída do emprego levou 30 dias, o que equivalente ao tempo de aviso prévio. Um pouco de dinheiro para me organizar pelo menos pelos próximos 60 dias, eu já estava então caminhando com minhas próprias pernas.

O primeiro mês longe do emprego foi surpreendentemente cheio. Desde que saí a minha carga de trabalho praticamente triplicou, alguns dos clientes que eu atendia no meu antigo emprego acabaram me procurando e me oferecendo oportunidades de trabalho bem flexíveis e que se encaixavam perfeitamente na minha nova filosofia de vida.

Concretizei pelo menos três parcerias promissoras com instituições de nome na minha cidade e que já me garantiram a estabilidade que eu precisava. Teria sido sorte?

Como consegui mais e melhores clientes?

Algumas pessoas me perguntaram como eu consegui me estabilizar tão rápido. A resposta é: Não é difícil, qualquer um pode conseguir, mas requer muito planejamento, disciplina e trabalho duro.

Eu mencionei as principais estratégias para se tornar um freelancer de sucesso neste post, mas pra simplificar tudo eu posso listar como eu consegui.

  1. Atendendo meus clientes da melhor maneira possível.
  2. Assumindo o problema do cliente como meu, fazendo o máximo para resolvê-lo.
  3. Dando atenção ao cliente, mantendo-o sempre informado.
  4. Fazendo com que meus clientes se sintam importantes, ligando, enviando e-mails e mantendo-os envolvidos em todo o processo
  5. Caprichando na apresentação de tudo o que eu fizer
  6. Investindo em conhecimento e me mantendo atualizado

Uma base sólida de bons clientes não é criada da noite para o dia. Como você percebeu eu já vinha trabalhando com diversos clientes em potencial desde o meu antigo emprego, o que os fez vir até mim foi a qualidade oferecida pelo meu serviço naquela época.

Quais os desafios dessa nova carreira?

Sem esquecer da estabilidade, existem vários desafios a serem enfrentados nessa nova jornada.

  • É difícil manter a estabilidade, obrigando-me a planejar sempre a longo prazo.
  • É desafiador conquistar e manter bons clientes.
  • A concorrência é desleal.
  • O mercado é mal educado e desvaloriza a mão de obra criativa.
  • É preciso ter disciplina e investir constantemente em conhecimento.
  • É preciso ter controle sobre a questão tributária, o que geralmente necessita da contratação de um contador.
  • Você não tem “férias”, não tem décimo terceiro salário, não tem auxílio doença, não tem auxílio alimentação nem vale transporte ou qualquer benefício de um assalariado.
  • Precisa ficar atento ao seu INSS e as contribuições que garantirão a sua aposentadoria.
  • Entre outras coisas que eu não lembro agora mas que são chatas, de qualquer forma.

O fato é que depois que eu resolvi investir em minha carreira como profissional independente minha vida mudou completamente. Passei a me relacionar com meus clientes com muito mais dedicação e atenção e acredito que isto é a chave para o sucesso do profissional freelancer.

De agora em diante eu espero conseguir compartilhar com vocês as experiências desta nova fase de minha vida e motivar as pessoas que pretendem seguir este caminho. Nos vemos em breve!

15 COMENTÁRIOS

  1. olá, Cristian estou gostando muito de suas series e seus videos é muito interessante o modo como você fala,
    estou aprendendo muito com o Clube do Designe, eu ainda não estou querendo seguir nesse ramo de Freelancer pois quero primeiramente me aprofundar mais no ramo do designe e quero conseguir muita experiencia trabalhando em gráficas e coisas do tipo.
    Gostaria que você me desse algumas dicas de como chegar lá e ser um bom profissional.

  2. Opa Liude estou começando a carreira como freelancer tem como vc me dar dica de passos sites conteúdos e tudo mais… trabalho com Corel perfeitamente mas tem alguma outra ferramenta que seja melhor?

    e parabéns parceiro ótimos videos e parabéns na vida tb 🙂
    aguardo resposta…

  3. Liute,
    Conselhos de quem trabalhou quase que toda a vida por conta própria.
    Administração financeira é muito importante. Deve-se viver com menos de 70% do que se ganha. !0% deixo livre para um dízimo se for religioso, 10% para formação de um colchão de segurança e outros 10% para a “aposentadoria”, deixando aplicado a longo prazo.
    Ter um colchão de segurança é muito importante, pois fatalmente vem aqueles períodos sem nenhuma venda ou serviço e esse colchão te deixa tranquilo para aproveitar a família nesses períodos e não ficar desesperado com as contas que irão vencer… eu já tive isso e era uma senhora tranquilidade. O fundo de aposentadoria é um dinheiro que vai sendo aplicado em boas aplicações ou empresas (ações) de forma que aos poucos você deixe de depender do que ganha como freelancer e passa a trabalhar apenas por prazer (por incrível que pareça vão te pagar melhor só para verem o seu serviço).
    Você me acompanhou no Cardquali e viu o sufoco que passo por não ter esses dois itens (que eu já tive no passado e perdi). Estou correndo atrás para ter de novo e não tem por que não partilhar contigo. Se quiser dicas de sites bons na gestão financeira eu te passo por email.
    Abraços,

  4. Parabéns Liute pela sua trajetória profissional. Legal que no vídeo você fala do seu começo no ramo criativo, a importância da experiência adquirida nos empregos anteriores, mostra como foi difícil a caminhada com muito esforço e tals, mas e sua esposa, família em geral como foi a aceitação deles referente a sua decisão de largar o emprego assalariado para se tornar profissional freelancer?

    Gostei bastante do vídeocast!!!

    • Vitor, tenho o apoio total de minha esposa, que já acompanha a minha batalha durante muito tempo. Ela confia nas minhas capacidades até mais do que eu. 😀
      Não foi uma decisão tomada de uma hora pra outra, então já tinhamos os planos traçados caso desse algo errado.
      Hoje, na verdade, já estou sendo contratado de novo… então logo logo faço outro vídeo contado mais esta mudança.
      Um abraço!

  5. Gostei do seu texto!
    Eu no momento estou tentando começar essa nova fase, como Freelancer, confesso que fui meio que forçado. Estou começando a fazer novos contatos e possíveis clientes, é realmente um pouco complicado, pelo menos no meu lado está sendo, e o que me da mais medo é essa instabilidade no inicio. Espero poder alcançar o objetivo que quero, agora estou sempre lendo assuntos sobre.

  6. Excelente artigo Liute, são tantos assuntos referente a migração de trabalho fixo para carreira de freelancer que existe inclusive um blog somente sobre isso, recomendo aos coletas o Carreira Solo (http://carreirasolo.org), que aborda temas como este.

    Realmente uma das maiores preocupações sobre seguir carreira freelancer é justamente a “estabilidade” de um emprego formal, porém mesmo assim, você está a mercê de ser demitido ou a empresa falir, repare que não é tão garantido assim o seu atual emprego, de qualquer forma realizar projetos no contraturno do seu trabalho, e fazer uma reserva financeira, é uma forma segura de passar por esta mudança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here