Muitas pessoas confundem o que um designer e um arte-fnalista fazem, e tem gente que sequer sabia que essa profissão, arte-finalista, existia. Não é incomum as pessoas acharem que eu sou designer, talvez por eu possuir um blog/canal que se chama “Clube do Design” ou simplesmente pela facilidade que há em se confundir ambas as profissões.

Isso porque a linha que separa um designer de um arte-finalista é bem tênue para aqueles que olham de fora, ambos são profissionais criativos, ambos utilizam ferramentas parecidas, mas as semelhanças não vão muito além deste ponto. Vamos ver se eu consigo te mostrar a diferença entre um e outro.

O designer

O designer cria e desenvolve projetos gráficos ou de comunicação visual, ou de concepção de objetos ou peças dos mais diversos tipos, a serem produzidas em grande escala. Na área gráfica, cria logotipos, define a formatação das páginas de uma publicação, como jornais e revistas, definindo o tipo e o tamanho das letras e a disposição das imagens.

Pode trabalhar em meio digital, desenvolvendo interfaces para sites, games e dispositivos móveis, como celulares, smartphones e tablets. Neste caso, atua em editoras, agências de publicidade, birôs de computação gráfica e produtoras de mídia digital.

Em desenho industrial, o campo é muito amplo. O profissional trabalha com produtos de consumo, como eletrodomésticos, mobiliário, lustres, vestuário e joias. Ou na fabricação de instrumentos e equipamentos médico-odontológicos, como camas para hospitais e instrumentos para dentistas.

Pode desenhar, ainda, peças da construção civil, como azulejos e cerâmicas. Por fim, o designer trabalha no setor de máquinas e equipamentos, desenhando peças a serem usadas pelas fábricas em seus processos de produção.

Seja qual for o campo de atuação, fazem parte da preocupação do designer garantir a funcionalidade do objeto e a viabilidade econômica e industrial de sua fabricação. Dependendo da área de atuação, o designer convive no dia a dia com arquitetos, profissionais de marketing, jornalistas, editores, engenheiros e especialistas em informática.

O designer possui um amplo campo de atuação, podendo, inclusive, se tornar um arte-finalista, um produtor gráfico, um designer gráfico, diagramador, entre tantas outras vertentes baseadas apenas em comunicação visual e artes gráficas.

Isso depende diretamente dos rumos que um estudante de design decide seguir, podendo se especializar, inclusive, em várias áreas de uma vez.

Desiger x Arte-fialista

O arte-finalista

O arte-finalista também pode atuar em diversos segmentos diferentes, sendo a principal a finalização técnica de peças de design ou publicidade para impressão digital, off-set, serigrafia, jornal, revista, etc., e o seu suporte e execução pode influenciar tecnicamente o resultado final.

Há vários campos em que um arte-finalista deve ter conhecimentos, como a paginação, a pós-produção de imagem, a leitura e desenvolvimento de desenhos técnicos e noções mínimas de produção, seja esta gráfica ou audiovisual. É também essencial que tenha conhecimento bem amplo em ferramentas digitais, como Photoshop, Adobe Illustrator, Adobe InDesign, CorelDraw, Acrobat, e aplicativos de pré-impressão.

Normalmente, o fim da linha de um trabalho dentro de uma agência, é o departamento de arte-final, onde a margem de erro deve ser nula. Este tipo de responsabilidade leva ao arte-finalista ser cuidadoso, rápido e atento aos mínimos pormenores. Por exemplo, controlar o tamanho mínimo de um corpo de texto em um determinado tipo de impressão e suporte (papel), determinar a lineatura, densidade de tintas, impressão em sobreposição, entre outros.

Pode ainda atuar em serigrafia, finalizando projetos, separando as cromias, sejam reticuladas ou chapadas em um projeto multicolorido. Além de qualquer outro tipo de ajuste final que seja necessário em uma peça gráfica antes de sua impressão.

Existe também o arte finalista de história em quadrinhos e ilustrações editoriais, estes são os mais conhecidos, cuja função consiste em dar acabamento no desenho a lápis para que possa ser reproduzido e publicado. Através de diversas técnicas e estilos, é possível conseguir inúmeros resultados no estudo de preto e branco com a utilização do nanquim.

Vários são os materiais usados para fazer arte-final, como, pincel, bico de pena e canetas técnicas, se utilizando de técnicas de traço, texturas, luz, sombra, e efeitos gráficos à mão livre, seja para desenhos em estilo infantil, heróis, cartoon, mangá ou artístico.

O veredito

O designer tem um domínio amplo em teorias e técnicas de design, que podem sequer ter relação com a produção de material de comunicação digital ou para impressão. Já o arte-finalista precisa obrigatoriamente conhecer todas as ferramentas possíveis para dar suporte à finalização e acabamento em projetos para impressão que são criados por designers, ilustradores, desenhistas ou publicitários.

É por isso que aqui no Clube do Design você encontra muito material voltado à utilização de ferramentas, pois eu sou arte-finalista, e o meu objetivo é te mostrar como as ferramentas e recursos do meu dia a dia podem auxiliar no desenvolvimento de seus projetos.

Ao contrário do que muita gente pensa, ser arte-finalista não tem nada a ver com uma profissão para iniciantes, que querem um dia se tornarem designers. O que você cria em um computador brincando com as ferramentas de softwares criativos quando está aprendendo a gostar de design, é apenas uma pequena amostra do que você precisa conhecer para realmente se tornar um arte-finalista.

E ai? Entendeu direitinho? Se tiver alguma dúvida, dá um pulo aqui nos comentários e vamo bater um papo!

16 COMENTÁRIOS

  1. olá… sou iniciante em tudo.. me ajuda? quais os cursos, salários, o que cada coisa faz.. Sua explicação foi ótima. Agradeço muito artes é a minha praia!! heheh

  2. boa tarde a todos… sou arte finalista e conheço todos os processos de impressão offset e digital…. vejo muitos ”arte finalistas” que fazem faculdade e trabalham em agencias de publicidade e não sabem diferenciar um RGB de um CMYK… portanto acredito que o SENAI seria o local ideal para quem quer iniciar como profissional de comunicação visual e/ou área grafica convencional

  3. hj sou Operador de Impressora Digital, mas acabo por fazer toda a parte de arte-final, simplesmente os designer que passam pela empresa não sabem fazer fechamento de arquivo ai sobra pra mim kkkkk Realmente é um trabalho bem diferente, no lado puramente gráfico, simplificando o designer se preocupa em criar coisas bonitas e o arte finalista em torná-las algo que possa ser produzido. Adoro quando me mandam aquele arquivo com um logo de 3 cores pantones ou um jpge de “alta resolução” (300dpi mas em tamanho a4 pra imprimir uma lona de 12m por 4m), ou ainda um arquivo pra recorte com letras minusculas de do tipo 2mm de altura e mais imagens sem linha de corte, só coisa linda… como é bom fechamento de arquivo.

  4. Top essa explicação, mas é claro que se me perguntarem eu vou mandar entrar no teu blog porque a explicação será 1000 vezes melhor do que qualquer coisa que eu diga. Parabéns pelo excelente trabalho e por nos ensinar a cada dia que Deus lhe abençoe.

  5. Isso gera muita confusão se confundem os designer gráficos com arte-finalista, que fique claro, o arte-finalista dá o acabamento final, e a concepção vem pelo designer gráfico. Mas não impede que um faça o serviço do outro, mas quando a empresa é grande , é normal a separação de tarefas para se adiantar o andamento dos trabalhos. Ótima explanação Liute.

  6. Liute, muito bom mesmo, já acompanho o teu blogue a uns anos e baixo vários vídeos. Sou de Moçambique, designer gráfico. Tenho uma grande curiosidade quanto às fontes, estou a produzir um trabalho para impressão e ainda não sei que tamanhos posso usar para o corpo, título e subtítulo. Parabéns pelo blogue e pela matéria show

    Abraço

    Roque

    • Oi Roque, muito obrigado! 😀
      Sobre tipografia, as questões de tamanho de corpo e de títulos estão ligados ao projeto gráfico, ao público e a legibilidade. Fazer um material com texto pequeno para idosos, por exemplo, tá fora de questão.
      Recomendo a leitura do livro: Tipografia, o Gavin Abrose e Paul Haris.
      Um abraço

  7. Pow! Muito legal essa explicação que você deu Liute. Mas uma vez show de bola. Eu só gostaria de saber como eu faço pra ter esse conhecimento? Que cursos eu preciso. Ou mesmo só com a experiência prática para ter esse conhecimento? Sou Publicitário, mas é difícil se posicionar nesta profissão que ainda é desvalorizada na Região norte. Forte abraço!

    • Oi Robson, se o seu objetivo e se tornar um arte-finalista, eu recomendo cursos voltados para produção gráfica. Estes cursos são mais comuns em escolas técnicas, como SENAI. Você também pode fazer uma graduação em Design Gráfico, ou Comunicação Social: Multimídia e se especializar em impressão.
      Um abraço!

        • Oi Sandra, a referência ao SENAI é onde você “pode” encontrar cursos de produção gráfica, infelizmente não encontrei outros locais para dar referências. Infelizmente ainda não existem cursos específicos para arte-finalistas em universidades, mas certamente um canudo pode ajudar bastante.

          • Você poderia fazer um curso de arte-finalista igual de Illustrator (por exemplo) na suitecriativa.com. Eu pagaria com toda certeza. =)

        • Errado Sandra, o SENAI é ótimo, a diferença é que o curso do SENAI é mais focado no trabalho em gráficas enquanto a faculdade é mais abrangente, se quiser trabalhar em uma gráfica recomendo o SENAI que com certeza de qualificará melhor para o trabalho, mas se seu desejo é uma agencia e vc realmente gosta de arte vá para faculdade.

        • Errado Sandra, o SENAI é ótimo, a diferença é que o curso do SENAI é mais focado no trabalho em gráficas enquanto a faculdade é mais abrangente, se quiser trabalhar em uma gráfica recomendo o SENAI que com certeza de qualificará melhor para o trabalho, mas se seu desejo é uma agencia e vc realmente gosta de arte vá para faculdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here