Como vimos no último post, as cores primárias que enxergamos são o Vermelho (R) o Verde (G) e o Azul (B), responsáveis por formar todas as demais cores que percebemos através dos cones visuais.

Você provavelmente aprendeu na escola que as cores primárias são o vermelho, amarelo e o azul, mas quando estamos falando dos receptores do olho, precisamos levar em consideração que eles reagem a luz, e o que vemos no papel é apenas a luz que é refletida pelo pigmento aos nossos olhos.

É perfeitamente possível combinar outras cores, usando prismas ou filtros coloridos é possível criar e combinar comprimentos de onda específicos, dando origem a uma nova cor. Mas se usarmos as cores primárias na proporção certa, será possível criar qualquer cor do espectro visível.

Quando misturamos tinta, estamos manipulando a luz de maneira indireta. Quando a luz incide sobre um pedaço de papel com uma mancha de tinta, alguns comprimentos de onda são absorvidos e outros são refletidos até os nossos olhos, gerando assim a percepção de cor.

Ao observar uma mancha de tinta vermelha, significa que a tinta absorve a luz azul e a luz verde, refletindo até os seus olhos apenas a luz de cor vermelha. Quando olhamos para uma mancha de tinta azul, significa que as cores vermelho e verde são absorvidas pelo pigmento, e apenas a cor azul chega até os nossos olhos. Diferentes níveis de absorção e refração de cada comprimento de onda vermelho, verde e azul geram todas as demais cores que enxergamos.

Mistura aditiva (Modelo RGB)

Na imagem acima você pode ver uma representação de como as cores RGB são percebidas pelo nosso olho. Quado misturamos o vermelho e o verde, temos o amarelo, quando misturamos o verde e o azul temos o ciano, e quando misturamos o azul e o vermelho temos a cor magenta. Estas são cores secundarias, criadas quando duas cores primárias RGB são misturadas.

Aprendemos que na teoria tricromática, que é ADITIVA, ao adicionarmos intensidades maiores de vermelho verde e azul temos cores cada vez mais claras, até chegarmos no branco. Se misturarmos, por exemplo, o vermelho e o azul, temos o amarelo, que é uma cor mais clara.

Isso não acontece quando estamos misturando tinta, já que os pigmentos tendem a absorver cada vez mais as ondas de luz a medida que os misturamos. Se você misturar tintas de cor vermelha, verde e azul, vai conseguir um tom de marrom bem escuro.

Neste caso, a solução é o uso de mistura SUBTRATIVA, que consiste em utilizar pigmentos que só absorvem determinada cor primária, em vez de pigmentos que absorvem todas. O processo funciona de forma reversa, no RGB, quando não temos cor, não temos luz, logo tudo é preto. No processo subtrativo, quando não temos cor, não temos tinta, logo tudo é branco (cor do papel).

A medida que vamos pintando o papel, vamos adicionando mais pigmento, subtraindo mais de cada cor primária. Entenda: se enxergamos o papel como branco, significa que ele está refletindo para os nossos olhos todas as cores RGB em intensidade máxima.

Quando pintamos o papel de vermelho, significa que a tinta está absorvendo as cores azul e verde, e refletindo apenas a luz vermelha. Os comprimentos de onda refletidos determinam a cor que enxergamos. Quando mais cores de tinta misturarmos, mais comprimentos de onda serão absorvidos e menos serão refletidos para os nossos olhos. Quando nenhum (ou quase nenhum) comprimento de onda é refleti, enxergamos o preto.

Mistura Subtrativa (Modelo CMY)

As cores que absorvem mais primárias são os seus complementos: O ciano absorve o vermelho. O magenta absorve o verde, e o amarelo absorve o azul. É por isso que na impressão usamos apenas estas cores, mais o preto, para reproduzir todas as cores que queremos imprimir.

Diagrama da representação das cores Subtrativas
A complementar do Vermelho é o Ciano
A complementar do Verde é o Magenta
A complementar do Azul é o Amarelo

Por mais que tenhamos hoje estas três cores, as cores primárias utilizadas na pintura sempre foram o vermelho, amarelo e azul. Isso se dava principalmente pela disponibilidade, já eram fabricados há muito tempo e não era fácil fabricar cores como ciano e magenta, além disso, a cor vermelha e azul por serem mais fortes permitiam resultados mais intensos.

As primárias usadas pelos artistas

A mistura do vermelho, amarelo e azul cria um espectro de cores limitado, como o magenta e o ciano são primárias verdadeiras, absorvendo apenas um comprimento de onda, elas não podem ser recriadas pela combinação destas cores.

Então se usa também a cor branca, que é usada para criar tons de cores mais claros misturando o branco com as demais tintas. Isso permitiu a utilização das cores primárias (azul, amarelo e vermelho) de maneira a criar uma ampla diversidade de outras cores combinando-as na tela. Misturar branco com azul gera azul claro, com um pouquinho de amarelo ele vira ciano.

Este texto faz parte da nossa Série Sobre Cores. Clique no link e veja todos os artigos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here